As principais causas do seu medo de dentista. Informe-se!

7 minutos para ler

João tinha 9 anos quando consultou-se com um dentista que não conseguiu anestesiar seu dente corretamente. O resultado dessa visita foi um medo que durou e ainda dura até hoje, que, no pico dos seus 20 anos, tem pavor só de pensar num consultório odontológico.

Apesar de fictícia, essa história se assemelha a experiências reais de muitas pessoas, o que as impede de buscar cuidados preventivos adequados em relação à saúde bucal, contribuindo para o surgimento de diversos problemas orais.

Pensando nisso, no post de hoje vamos falar sobre o medo de dentista, suas principais causas e como contornar o problema. Assim, se você sofre desse mal, continue a leitura, pois ela será de grande utilidade! E, ainda em fevereiro, teremos um E-Book com mais detalhes sobre causas e soluções para esse grave problema!

O que é o medo de dentista propriamente dito?

O medo do dentista, ou também chamado de Odontofobia nada mais é que o pavor que leva o paciente a evitar os dentistas e os procedimentos odontológicos.

A exposição ao estímulo provoca uma resposta de ansiedade imediata, que pode levar a aumento dos batimentos cardíacos, alterações de pressão sanguínea, ataques de pânico e até síncopes.

Quais são as principais causas do medo de dentista?

Toda pessoa que sofre desse mal pode contar uma história diferente acerca do seu medo, porém, muitos se enquadram em algumas causas comuns, as quais citamos abaixo:

1. Experiências ruins

A fobia dentária frequentemente é associada a experiências ruins com um dentista ou, em alguns casos, horríveis, durante o atendimento odontológico. E, ao contrário do que muitos pensam, isso não inclui apenas procedimentos dolorosos, mas também falhas na comunicação, planejamento, condução e finalização do tratamento, alterações e acréscimos após a aprovação inicial, etc.

2. Dentista indiferente ou “mão pesada”

Muitas vezes se pensa, mesmo entre os profissionais de Odontologia, que é o medo de sentir dor que impede as pessoas de procurar um tratamento bucal, mas ela nem sempre é o problema. Quando o dentista se mostra frio, autoritário e indiferente em relação às angústias do paciente, isso pode causar um enorme impacto psicológico negativo e ser a origem ou piorar o medo propriamente dito.

3. Aprendizagem vicária

Outra causa do medo de dentista é a aprendizagem vicária ou, em outras palavras, a aprendizagem observacional. Se um pai ou responsável tem medo de dentista, as crianças podem adquirir esse medo sem mesmo ter sofrido alguma experiência prévia negativa.

O mais comum são histórias de “terror” contadas por familiares sobre suas idas ao dentista, que penetram no inconsciente da criança e geram o medo que pode durar pelo resto da vida.

4. Mitos, falta de informação correta

O ser humano aprendeu por milhões de anos a evitar situações que aparentam ser perigosas, como cobras e outros animais, altura, objetos pontiagudos etc. Assim, algumas pessoas podem, por falha na informação de uma Odontologia humanizada, acolhedora e competente muito comum nos dias de hoje, fugir do dentista, pois acreditam que o dentista possa representar perigo.

Ou seja, mesmo que elas não tenham vivenciado um evento doloroso, elas podem sofrer da fobia.

Como superar esse medo?

Se você já fica com o coração acelerado e suando frio só de pensar em ir ao dentista, não se preocupe, felizmente existem algumas dicas que são excelentes na hora de superar o medo de dentista. Abaixo citamos algumas que te ajudarão a enfrentar esse problema:

1. Procure consultórios nos quais você se sinta mais à vontade e dentistas de credibilidade e confiança:

Muitos dentistas têm ciência do quão traumático pode ser uma consulta e assim, investem em segurança do paciente muito mais do que apenas consultórios cada vez confortáveis e, assim, reforçam a confiança profissional e paciente..

Recepções relaxantes, acolhedor, vistas bonitas da janela, ausência de cartazes que mostram doenças dentárias, odores agradáveis etc. Por mais simples que pareça, isso promove o bem estar e faz com que você se sinta mais à vontade.

Quiz Invisalign

Mas, lembre-se de  escolha um Dentista que use check lists de qualidade, tenha protocolos de segurança do paciente, além do atendimento acolhedor e cuidadoso, credibilidade e transpareça  confiança. Não menos importante, que apresente seu planejamento de forma coerente com contrato, instruções do que vai ser feito no seu caso e, se necessário, exames de Digital Smile Design e Mock up para tangibilizar a comunicação profissional X paciente  

 2. Conte com o apoio familiar 

Envolva as pessoas importantes no conhecimento das implicações, benefícios e demais detalhes do seu caso.

 

3. Tente não criar expectativas altíssimas

Na maioria das vezes, a visita ao dentista não será tão aterrorizante como você espera. Muitos sofrem por antecipação e julgam que todo o tratamento será doloroso e traumático.

Logo, tente não criar expectativas sobre os procedimentos e, se julgar necessário, pergunte ao seu dentista como será a consulta. Isso pode te ajudar a se acalmar e não afligir-se antes da hora.

 

4. Vá com algum amigo ou familiar

Sabe aquele amigo ou familiar que você confia e sempre está ao seu lado nos momentos difíceis? Pois então, ele pode ser de grande ajuda na sua próxima ida ao dentista.

Estar com alguém que te transmite segurança contribui para um estado de calmaria mais amplo, diminuindo assim a Odontofobia. Em muitos procedimentos é permitido que ele até entre com você, ajudando ainda mais.

 

5. Tente se distrair

Ao sentar-se na cadeira do dentista, tente se distrair. Ouça suas músicas favoritas ou as que te acalmam usando fones de ouvido, leve um tablet ou smartphone para assistir a algum filme ou procure um consultório que disponha de TV ou outras distrações. Isso dá a sensação de que o tempo voou e você não sofre tanto com a situação.

 

6. Invista em técnicas de relaxamento

Existem algumas técnicas que promovem o relaxamento em situações de estresse e medo. São exercícios simples e de fácil execução que contribuem em muito para o alívio dos sintomas. Sejam respirações controladas, repetições mentais ou relaxamento muscular progressivo, essas táticas são tiro e queda para que você encare tudo de maneira mais “zen”.

 

 

7. Converse com seu dentista sobre os métodos anestésicos

Se o seu maior medo é a dor, converse com seu dentista sobre os métodos anestésicos. Hoje em dia existem diversas maneiras de alcançar um procedimento seguro, confortável e nada doloroso empregando técnicas cada vez mais precisas. Assim, você não tem mais desculpa para não cuidar de sua saúde bucal.

Esperamos que esse post mostre que o primeiro passo para superar o medo de dentista é saber suas causas e maneiras de driblar o problema. Assim, a história de João pode ter um final feliz e um sorriso saudável.

Agora que já sabe das causas, veja também outras maneiras de perder esse medo todo! Em breve, nosso livro digital estará disponível para você saber mais e se sentir melhor do que hoje para ir até seu dentista de confiança

Att, CD Dr. Alberto dos R Condé Jr crogo6411

Posts relacionados

Deixe um comentário

× Gostaria de agendar uma consulta?