Descubra qual o impacto da paralisia facial na Odontologia

4 minutos para ler

Você já ouviu falar em paralisia facial? Trata-se de um distúrbio em que metade dos músculos do rosto enfraquece ou paralisa.

Ela pode acontecer repentinamente, não ter uma causa específica e ainda deixar sequelas. Para entender melhor o assunto, descobrir quais são as causas e conhecer os tratamentos, continue a leitura!

O que é paralisia facial?

Existem doze nervos no cérebro, e o sétimo deles é o nervo facial. Ele controla a musculatura da mímica facial e possibilita as expressões da face — além de controlar a boca, os olhos e outras regiões.

Na verdade, existem dois deles, um de cada lado da face. Assim, se um deles fica prejudicado, o lado em que ele está localizado perde essas funções.

Normalmente, o que ocorre é uma inflamação, que que incha e comprime um canal atrás da orelha. Como resultado, seus impulsos nervosos não são transmitidos e o rosto fica assimétrico, resultando em danos estéticos e outros problemas.

Quais são suas causas?

Existem várias causas para a paralisia facial, como:

  • diabetes;

  • doenças autoimunes;

  • vírus;

  • problemas na tireoide;

  • meningite;

  • tumores;

  • otite média;

  • fraturas do osso;

  • traumatismos cranianos;

  • sarcoidose;

  • lesões neurológicas ocorridas durante ou após o parto (quando ocorre em recém-nascidos).

Quando ela não tem uma causa aparente, é chamada de paralisia de Bell.

E os sintomas?

O principal sintoma é a paralisia súbita ou gradual da face. Como esse é também um sintoma de AVC, o ideal é ir até um médico para descartar essa possibilidade.

Assim que ela for descartada, pode-se começar a averiguar outros sintomas da paralisia facial. Entre eles, estão a dificuldade de pronunciar palavras, de comer, e até de fechar a pálpebra.

Além das complicações estéticas, existem também danos que podem ocorrer quando a paralisia facial não é tratada. Como o olho não fecha sozinho, a córnea pode ressecar, causando problemas de visão. Esse, aliás, é um dos maiores perigos desse tipo de paralisia.

Ainda podem haver dores próximas à orelha e à mandíbula, perda do paladar em parte da língua, dores de cabeça, de ouvido, menor produção de saliva, olho seco ou salivação e lacrimejamento sem motivos. Dificuldade para assobiar, soprar e manter líquidos dentro da boca também são sintomas comuns.

Como evitá-la?

A paralisia facial pode ser causada por tantos motivos diferentes que muitas vezes ela é diagnosticada como desconhecida. Apesar disso, existem algumas precauções que podem ajudar a evitá-la.

Tratar inflamações da região facial assim que aparecerem, evitar estresse, choques bruscos de temperatura, fadiga extrema e imunidade baixa são algumas delas. Todos esses são fatores que podem estar envolvidos no surgimento da doença.

Quais são os tratamentos?

Embora ela regrida sozinha na maioria dos casos, existem tratamentos para a paralisia facial, que costumam incluir medicamentos, fisioterapia e fonoaudiologia. Quando eles são feitos, é possível reduzir a inflamação, as dores e agilizar a volta do rosto ao normal.

Não existe um tratamento padrão: o médico avalia, entre outros fatores, a idade, a condição clínica e a extensão dos danos no nervo afetado.

Embora a maioria dos casos tenha uma recuperação tranquila, algumas pessoas podem ficar com sequelas. Assim, o rosto não volta ao normal ou fica paralisado em algumas regiões.

O tratamento é indicado justamente para reduzir essas chances de sequelas, pois quando os músculos ficam parados por muito tempo, podem atrofiar, e as complicações podem ser maiores.

Como ela está relacionada à Odontologia?

O médico mais indicado para tratar a paralisia facial é o Otorrinolaringologista, juntamente a um fisioterapeuta e uma fonoaudióloga. No entanto, dentistas também indicam para os médicos fazerem os tratamentos — como a laserterapia — que podem gerar excelentes resultados para a recuperação dos movimentos do rosto.

Inclusive, as consultas regulares com um dentista ajudam a evitar inflamações orais que, por terem grande proximidade com o nervo facial, poderiam afetá-lo e causar danos.

Caso você sinta qualquer um dos sintomas da paralisia facial, procure um médico imediatamente. Como vimos, o diagnóstico precoce facilita o tratamento e reduz a possibilidade de sequelas.

Então, você já passou por essa situação ou conhece alguém que teve paralisia facial? Já sabia sobre a relação dela com a Odontologia? Sobrou alguma dúvida? Deixe o seu comentário!

Att.,

CD Dr. Alberto dos R. Condé Jr.

CRO-GO 6.411

Posts relacionados

Deixe uma resposta

× Gostaria de agendar uma consulta?